sexta-feira, 27 de novembro de 2009

TIROTEIO E TERROR NA PONTA VERDE


Populares se aglomeram para assistir ação da PM após tentativa de assalto
 
Os primeiros sons, pareciam fogos. A insistência e a repetição, no entanto, chamaram a atenção de Geraldo Cruz, que correu até a sacada de seu prédio para tentar desvendar a origem do barulho. Bem abaixo de sua janela, a cena de filme se desenrolava. Policiais corriam, cercavam a loja de materiais esportivos ao lado da praça do bairro, de armas em punho, enquanto outras viaturas começavam a chegar sem parar. De dentro da loja, os bandidos continuaram a atirar, até que, frente à desvantagem - de armas e de homens -, resolveram se render. Com socos e chutes, foram colocados dentro de uma das viaturas da Polícia Militar. 

 
Populares correm. Ao fundo, à esquerda, policias iniciam captura ao bandido

Um, no entanto, conseguiu fugir pelos fundos da loja, pulando o muro e alcançando o prédio vizinho. E foi ele quem mobilizou a chegada de mais reforços. Dez carros do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Militar, com cerca de 40 homens, cães farejadores, e policiais de bicicleta lotaram a região em verdadeira operação de guerra. O som do giroflex ligado deu certeza à comunidade de que, se o barulho inicial poderia ser confundido com qualquer outro, agora não havia mais dúvida de que o bairro tinha sido, mais uma vez, alvo de assalto.

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, cidade com índices invejáveis de segurança, Geraldo mora em Maceió (AL) há pouco mais de dois anos, mas foi a primeira vez que presenciou algo do gênero. Preferiu manter a segura distância necessária do fato, enquanto populares se aglomeravam nas proximidades da loja, na esquina das ruas Durval Guimarães com Pompeu Sarmento. Os índices preocupantes da capital nordestina fazem com que redobre a atenção com a segurança. “O pior é que a gente não vê ninguém fazendo nada”, analisa.


Crédito: Gazeta de Alagoas
Ação e terror
Vestidos com camisa de grandes agremiações, os bandidos entraram na loja, como clientes, por volta das 10 horas de quarta-feira (dia 25 de novembro). A porta do estabelecimento, que já foi alvo de outros assaltos, vive trancada, assim como a maioria das lojas da região. Localizada no bairro de classe média alta que abriga um dos principais cartões postais de Alagoas, a praia da Ponta Verde, a loja é frequente alvo de furtos e assaltos e os funcionários fazem uma espécie de “triagem” dos fregueses. 
 
Crédito: Gazeta de Alagoas
Após render os quatro funcionários, os criminosos lotaram seis sacolas. A movimentação atípica, no entanto, foi percebida pelo segurança de um estabelecimento comercial vizinho, que acionou a polícia. Após resistir à prisão, o terceiro integrante do grupo ainda fugiu pelas ruas vizinhas, ocasionando o tiroteio nas proximidades. Alunos de escolas próximas corriam para tentar se proteger. 


O criminoso atingiu o colete à prova de balas de um PM, mas, vestido apenas com a camisa do Flamengo, não escapou de três disparos. Ferido, identificado pela Polícia como Fabrício Costa de Souza, 25 anos, que já teria prisão decretada por outra ação do mesmo gênero no mesmo bairro, foi encaminhado para o Hospital Geral do Estado, onde já chegou morto. 
 
Ranking nacional
O crime vai entrar para as estatísticas como mais uma tentativa de assalto na capital de Alagoas, como mais um homicídio. Na prática, porém, os moradores assistem uma escalada de violência que, se antes estava restrita à periferia da cidade, agora já atinge também as áreas mais nobres. O assunto promete ser largamente explorado na campanha eleitoral de 2010. Desde já, os prováveis candidatos fazem críticas à cúpula de segurança do Governo estadual, antecipando o debate. Apesar da frequente aparição de Maceió como uma das cidades mais violentas do país, pouco se tem feito para alterar o quadro.  

TAXA HOMICÍDIOS NAS CAPITAIS (POR CEM MIL HAB.)
MAPA DA VIOLÊNCIA 2008





Um comentário:

  1. Oi Leila!

    Teu blog tem sido os que mais acompanho durante o curso.

    Fiz matéria nesta semana ainda sobre esse estudo de violência, e não me antenei de produzir material para o curso.

    Optei por um perfil, e aí, a informação infográfica fica mais complicada.

    Mto legal!

    Abraços pra você!

    Rodrigo Stüpp

    ResponderExcluir

Loading...